Advertisement Section

Estudo tenta explicar por que negros têm maior risco de intolerância à lactose

Tempo para ler2 Minutos, 6 Segundos

Em pesquisa conduzida na UFPR, cientistas perceberam uma variação genética na expressão da enzima responsável pela digestão de leites e derivados

Uma variação genética presente em populações negras aumenta a propensão desse grupo de pessoas a desenvolver uma intolerância à lactose, de acordo com estudo brasileiro conduzido pelo Departamento de Genética da Universidade Federal do Paraná.

A pesquisa, cujos resultados foram publicados na revista científica Frontiers in Genetics, chegou a essa conclusão ao avaliar em 25 populações de 12 países latino-americanos, com ênfase em negros e quilombolas, a presença do alelo (parte do gene que dá as coordenadas) responsável pela persistência da lactase — enzima essencial para a digestão do leite e derivados.

A ausência dessa enzima, que já é alta entre os povos latino-americanos, se mostrou ainda mais sensível nas populações negras e quilombolas, segundo o estudo.

Mudanças da evolução humana

De acordo com a professora Marcia Holsbach Beltrame, orientadora da pesquisa, a lactase é expressa de forma intensa pelos recém-nascidos — que precisam dela para conseguir digerir e absorver os nutrientes vindos do leite materno. Com o crescimento, no entanto, a enzima deixa de ser necessária e não estaria mais presente no organismo.

Mas essa condição foi modificada pela seleção natural, quando surgiram indivíduos capazes de consumir leite durante a vida adulta sem apresentar sintomas de intolerância. “Essa capacidade deu vantagem na alimentação das populações pastoralistas africanas e fez com que esses indivíduos passassem seus genes com mais frequência, já que tinham mais chance de sobrevivência e reprodução”, afirma a especialista.

Esse processo, no entanto, aconteceu de forma separada em populações da Europa e da África, dando origem a indivíduos com mutações diferentes para a produção da lactase. O estudo, então, avaliou a frequência com que essas variações genéticas se apresentavam no continente americano.

Foram avaliados os dados genéticos de pessoas negras em todo o continente americano. O sequenciamento mostrou que poucas pessoas possuem a mutação africana para a produção de lactase, indicando que o Brasil possui pouca ancestralidade de populações pastoralistas africanas. Já a mutação europeia foi encontrada em baixa quantidade entre negros – em alguns, nem isso foi detectado.

De acordo com Beltrame, entender essas especificidades da população negra – que compõe 56,1% da população brasileira, entre pretos e pardos, de acordo com o IBGE – é fundamental para que as orientações nutricionais sejam readequadas levando-se em conta essas informações.

“As diretrizes alimentares divulgadas pelo governo reforçam muito o consumo de leite como algo importante para a saúde no que parece ser algo copiado das práticas europeias”, afirma a especialista. “Mas, se uma grande parte da população não consegue aproveitar esse alimento, essa orientação perde o sentido”, explica.

O próximo passo agora, segundo a coordenadora, é aprofundar os estudos genéticos nas populações negras, em especial nas comunidades quilombolas. “Nossa intenção é entender mais sobre a história dessas comunidades, já que cada uma delas têm ancestralidades bastante específicas”, afirma. A pesquisa contou com a parceria do pesquisador Victor Borba, da Universidade Federal de Minas Gerais.

Fonte: Danielle Sanches para Agência Einstein

Happy
Happy
0
Sad
Sad
0
Excited
Excited
0
Sleepy
Sleepy
0
Angry
Angry
0
Surprise
Surprise
0

Deixe uma resposta

Previous post Confira 8 tendências de decoração para 2022
Next post Iniciativas que merecem ser celebradas
%d blogueiros gostam disto: