Advertisement Section

Empresária não se cala diante do racismo e denuncia a agressora na delegacia

Tempo para ler1 Minutos, 42 Segundos

A acusada é outra cliente que foi presa em flagrante e autuada na 16ª DP

Por Geraldo Ribeiro para Jornal Extra

A empresária Fabiana Garcia Cunha da Silva, de 41 anos, acompanhada de outras duas mulheres, registou queixa de crime racial contra Maria Cristina Rodrigues dos Santos, de  53, na 16ª DP (Barra da Tijuca), na tarde desta quarta-feira. Fabiana contou que estava na fila dos caixas eletrônicos de uma agência bancária localizada em um shopping na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio, quando a outra mulher, também cliente do banco, começou a  gritar e fazer ofensas de cunho racial, alegando que a culpa de não conseguir realizar a operação era o fato de pessoas negras estarem ali.

— Ela saiu da agência e estava visivelmente alterada, talvez insatisfeita por não ter conseguido resolver o que foi fazer. Foi para o caixa eletrônico, do lado de fora onde eu estava numa fila,  e começou a falar que negros não prestam e quando não fazem na entrada fazem na saída e, entre outras agressões verbais, me chamou de macaca  — contou a empresária.

Fabiana disse que chamou um segurança da agência, relatou o fato e pediu ajuda. Em seguida, ligou para a polícia que encaminhou uma viatura do 31º BPM (Recreio) ao local e levou as mulheres e mais duas testemunhas  para a  delegacia, onde o caso foi registrado.

A empresária contou ainda que ao chegar na delegacia,  a acusada tentou dar outra versão para os fatos, alegando que a Fabiana é que tinha jogado praga nela. No registro de ocorrência da DP consta que  Maria Cristina disse que “tudo se tratava de bruxaria e que não teria cometido nenhum crime”.

— Ela tentou dar uma de louca. Infelizmente, o racismo está enraizado. Algumas vezes a gente tenta deixar para lá, mãs não dá para fingir que  não está vendo e deixar passar. Não é só por mim, mas também pelo meu filho e por outras pessoas negras. Isso tem de acabar. Só quem passa por isso é que sabe. Foi muito triste o que aconteceu, mas a justiça vai ser feita. Pelo menos fizemos a nossa parte — disse a empresária.

A acusada foi detida em fragrante e autuada por injúria por preconceito. O delegado Leandro Gontijo representou pela liberdade provisória dela e agora a decisão caberá à Justiça.

O GLOBO não conseguiu contato com Maria Cristina.

Fonte: Jornal Extra

Happy
Happy
0
Sad
Sad
0
Excited
Excited
0
Sleepy
Sleepy
0
Angry
Angry
0
Surprise
Surprise
0

Deixe uma resposta

Previous post Governo da Argentina volta a mudar exigências para entrada de estrangeiros no país: confira as novas regras
Next post “Natal em Miami” , filme de Nollywood bate recordes de bilheteria
%d blogueiros gostam disto: