Advertisement Section

Mostra de cinema negro Zózimo Bulbul em modalidade virtual e presencial começa na quarta (27)

Tempo para ler1 Minutos, 48 Segundos

Festival chega à 14ª edição com homenagem a vítimas da covid-19 e exibe gratuitamente 155 filmes do Brasil e do mundo

Começa na próxima quarta-feira (27) a 14ª edição do Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul, que vai exibir gratuitamente e na modalidade remota pela plataforma innsaei 155 filmes, sendo 123 nacionais (entre curtas e longas) e 32 internacionais (curtas, médias e longas metragens). Nos dias 5 e 6 de novembro, o Encontro será presencial no Cine Odeon, no centro do Rio de Janeiro.

A edição deste ano reflete sobre um futuro possível com o tema “memória, vestígios e futuridade” e homenageia nomes fundamentais para a cultura negra brasileira, como Januário Garcia, Sandro Lopes, Ismael Ivo, Gésio Amadeu, Erika Ferreira, João Acaiabe, Nelson Sargento, Ubirany Félix do Nascimento, Agnaldo Timóteo, Edson Montenegro, Marcelo Reis e de nomes que foram vítimas da pandemia da covid-19.

Em paralelo à mostra de filmes, a programação terá ainda atividades formativas, como as séries Entre Vestígios e Futuridades (dias 28 e 30/10 e 01 e 03/11, sempre às 10h), Borrando Fronteiras (dias 29 e 31/11, 02 e 04/11, sempre às 10h) e a série Políticas do Olhar: diálogos sobre curadoria e descolonização (dias 28/10 a 04/11, às 11h15).

Biza Vianna, diretora e produtora executiva do Encontro desde 2007, e as curadoras Janaína Oliveira e Ana Paula Ribeiro, afirmam que a edição aponta para o legado deixado por Zózimo Bulbul e “aposta em um futuro em que caibam principalmente mulheres e homens pretos, a comunidade LGBTQIA+, valorizando as diversidades de relacionamentos não incluídos”. 

cinema negro
Filme “Delirar o racial”, de David Pontes e Wallace Ferreira, coloca em cena a autodefesa por meio da dança e de movimentos das artes marciais e da capoeira – Divulgação

“Vivemos envoltos de incertezas e questões a serem resolvidas que não permitem uma expectativa alegre. Mas ao direcionarmos os nossos olhares para os vestígios e memórias, conseguimos pensar um futuro que nos caiba, reconhecendo que as conexões virtuais, a princípio impostas pela pandemia, nos geraram movimentos inesperados e acabaram nos sendo muito úteis e produtivas”, comenta Biza Vianna.

Com a temática deste ano, o Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul: Brasil, África, Caribe e Outras Diásporas visa ressaltar o movimento Sankofa de retornar ao passado para ressignificar o presente e construir o futuro para mostrar como as contribuições históricas não só embasam as narrativas de debate, mas também são estímulos do pensamento da população negra quanto o futuro.

Fonte: Eduardo Miranda para Brasil de Fato

Happy
Happy
0
Sad
Sad
0
Excited
Excited
0
Sleepy
Sleepy
0
Angry
Angry
0
Surprise
Surprise
0

Deixe uma resposta

Previous post Comercial da Philips promove visão positiva dos pelos do corpo na aparência masculina
Next post Madureira vira opção de roteiro turístico e ganha passeios gratuitos em ônibus elétrico pelo bairro
%d blogueiros gostam disto: