Advertisement Section

“Informe publicitário” negacionista nos jornais O Globo e Folha atesta divisão entre editorial e comercial

Tempo para ler2 Minutos, 34 Segundos

Departamento comercial dos veículos aceita que anúncio publicitário de meia página em defesa do tratamento precoce seja divulgado nas versões impressas

por Pedro Strazza para o site B9

A manhã desta terça-feira (23/02) ficou marcada para muitos brasileiros pela veiculação de um “informe publicitário” defendendo o tratamento precoce do coronavírus em alguns dos principais jornais do país. Presente nas edições impressas da Folha de São Paulo e do O Globo, o anúncio foi pago pela Associação Médicos pela Vida e busca divulgar o uso antecipado de medicamentos como a cloroquina para curar pacientes infectados pela Covid-19 – um problema, dado que nenhuma organização internacional de saúde reconhece ou recomenda tais remédios no combate à pandemia.

A peça, no caso, se porta como um “manifesto pela vida” assinado por um “grupo de médicos que têm se dedicado a levar aos pacientes o melhor da prática profissional” durante a pandemia, embora nenhum nome seja vinculado ao texto publicado. Além de divulgar ao final uma “jornada médica online” sobre o tema, o anúncio também cita um trecho da Declaração de Helsinque (sem o contexto apropriado de que o documento se refere a princípios de ética sobre testes clínicos com humanos, vale apontar) e do Conselho Federal de Medicina para justificar a defesa do uso de medicamentos sem eficácia comprovada.

A questão é que diversas organizações nacionais e internacionais já se posicionaram contra a utilização do tratamento precoce na pandemia. A própria Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) rejeitaram a utilização da hidroxicloroquina, da ivermectina, azitromicina e doxiciclina no cuidado de pessoas que tenham sido contaminadas pelo coronavírus, uma decisão que é corroborada por instituições como o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos e da Europa e mesmo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Enquanto espera-se que os efeitos do “informe” sejam combatidos por organizações de saúde nas próximas horas, o caso mais uma vez reaviva a discussão em torno da atual divisória que separa o editorial dos jornais de seus departamentos comerciais. Os gastos da dita associação não foram poucos, afinal, dado que atualmente não é nada barato veicular um anúncio de meia página na Folha de São Paulo e n’O Globo – de acordo com a jornalista Mariana Varella, editora-chefe do Portal Drauzio Varella, o preço para tal na primeira é na altura dos R$ 200 mil.

A situação preocupa sobretudo porque os principais veículos de comunicação do país (incluindo a Folha e O Globo) atuam conjuntamente desde o ano passado para combater a desinformação sobre a pandemia. Além de a partir de junho manterem atualizados os dados de disseminação do coronavírus em uma parceria independente do governo federal, o consórcio desde o início de 2021 veicula uma campanha de conscientização da vacinação.

Os departamentos comerciais dos dois jornais, enquanto isso, não parecem carregar os mesmos valores dos editoriais ao veicular o dito informe publicitário. Apesar de reforçar a classificação do anúncio no topo da peça, o jornal aprovou a publicidade mesmo pertencendo a uma associação que desde maio de 2020 atua de forma feroz para tornar protocolo o uso da hidroxicloroquina e dos outros remédios previstos no tratamento precoce.

O tópico naturalmente se desenrola nas redes sociais no momento de publicação desta nota, com muitos jornalistas e pesquisadores mostrando indignação pela publicação do anúncio em alguns dos principais veículos de notícia do país. A revolta é justificada: em nome do dinheiro, os jornais parecem perder de vista os ideais que norteiam suas redações.

Fonte: https://www.b9.com.br/

Happy
Happy
0
Sad
Sad
0
Excited
Excited
0
Sleepy
Sleepy
0
Angry
Angry
0
Surprise
Surprise
0

Deixe uma resposta

Previous post Três fatores a se considerar na escolha do hotel e garantir uma viagem de férias dos sonhos
Next post LeBron James mostra a Ibrahimovic que todo grande atleta deve, sim, falar sobre política
%d blogueiros gostam disto: